Federação Nacional dos Corretores de Imóveis

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte

FENACI, UMA VEZ MAIS, MARCA PRESENÇA INTERNACIONAL

E-mail Imprimir

No último mês de novembro, os Estados Unidos sediou dois grandes eventos relativos ao mercado imobiliário com ressonância mundial e de grande interesse para os profissionais brasileiros. Em ambos os eventos a Federação Nacional dos Corretores de Imóveis (FENACI) se fez representar pelo atual vice-presidente, e presidente eleito, Joaquim Mendonça Ribeiro.
Entre os dias 4 e 6, aconteceu o Miami International Real State Congres, organizado pela Miami Association of Realtors, associação de corretores de imóveis local e considerada a porta de entrada para a realização de negócios imobiliários no estado da Flórida.
Em seguida foi a vez da NAR – National Association of Realtors – maior associação de profissionais imobiliários dos EUA, e que congrega 1,2 milhões de associados, realizar, entre os dias 9 e 12, a Realtors Conference & Expo, na cidade de Orlando, que também aconteceu no estado da Flórida.
Para Joaquim Ribeiro, ambos os eventos se revestiram de grande importância estratégica para os profissionais antenados com a importância da globalização e interdependência dos mercados.
“No caso do evento ocorrido em Miami – explica Joaquim Ribeiro – a nossa presença veio ao encontro da importância que o investidor, tanto quanto o profissional corretor de imóveis brasileiro, vem assumindo em relação ao mercado local, tornando-se fundamentais na retomada da geração de emprego e renda na economia local”, enfatiza.
Quanto à participação na convenção anual da NAR, o futuro presidente da FENACI reforça a importância de um mercado imobiliário norte-americano forte como fator de sustentação para a realização de bons negócios em escala global.
“Com o agravamento da situação dos mercados da zona do Euro, a NAR surge como uma espécie de departamento global do mercado imobiliário, e neste caso, a nossa presença possibilita uma maior visibilidade da categoria em um cenário internacional”, concluiu Joaquim Ribeiro.