Federação Nacional dos Corretores de Imóveis

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte
E-mail Imprimir

MERCADO ESTÁVEL EXIGE MAIS DO CORRETOR DE IMÓVEIS,
DIZ SUPERINTENDENTE-REGIONAL DA CAIXA EM CURITIBA

“Nos últimos anos muitas pessoas escolheram a profissão de corretor, mas de certa forma encontraram um mercado muito favorável ao fechamento de negócios, sem necessidade de muita qualificação. Entendo que num mercado mais estável e competitivo a qualificação profissional torna-se ainda mais necessária. Um bom corretor de imóveis tem que conhecer bem o mercado e ter habilidades desenvolvidas para atender às pessoas com excelência, como em qualquer outra profissão. Saber ouvir e identificar as reais necessidades dos clientes é o primeiro passo, especialmente quando de trata da casa própria.”

A afirmação é do gerente da Superintendência Regional da Caixa Curitiba-Oeste, Vilmar José Smidarle, que foi um dos palestrantes do Fórum Regional dos Profissionais Corretores de Imóveis (Foreci) realizado dias 26 e 27 de setembro na capital paranaense. A superintendência gerenciada por Smidarle abrange Curitiba e mais 17 municípios da Região Metropolitana Oeste.


DEMANDA REPRIMIDA
– Segundo o gerente-regional da Caixa, nessa área havia, até bem pouco tempo, uma demanda reprimida que mereceu a atenção de muitas incorporadoras e construtoras locais e de fora.

“A cidade recebeu nos últimos anos muitos lançamentos para todas as faixas de renda que estão agora na fase final de construção, gerando uma movimentação grande de transações imobiliárias tanto de imóveis novos como de usados. Neste momento não existe aquela euforia vivida num passado recente, mas o mercado se mantém num patamar satisfatório de negócios. Mesmo com menor volume, temos ainda uma quantidade expressiva de novos lançamentos, muitos deles com financiamento à produção através da Caixa”, comenta.

De acordo ainda com Smidarle, Curitiba, Região Metropolitana e Litoral paranaense já receberam neste ano cerca de R$ 2,4 bilhões em crédito imobiliário, o que resultou na produção de 20.354 unidades habitacionais, beneficiando aproximadamente 82,3 mil pessoas.