Federação Nacional dos Corretores de Imóveis

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte
Imprimir

FENACI ENCERRA 2014 COM ENCONTRO REGIONAL,
CONFRATERNIZAÇÃO E HOMENAGENS EM RIO PRETO

A Fenaci fechou em grande estilo suas atividades deste ano ao realizar, dia 17/12, com o apoio do Sciesp (Sindicato dos Corretores de Imóveis no Estado de São Paulo), do Creci-SP (Conselho Regional dos Corretores de Imóveis) e do Secovi-SP, o Encontro do Mercado Imobiliário de Rio Preto e Região. No mesmo dia, após o encontro, ainda em São José do Rio Preto, aconteceu um jantar de confraternização com homenagens a personalidades que se destacaram na atividade de corretor de imóveis.

Realizado na sede da Região Noroeste do Estado de São Paulo, São José do Rio Preto, que congrega 96 municípios, o encontro para tratar do presento e do futuro do mercado imobiliário atraiu excelente público e reuniu muitos presidentes e representantes dos sindicatos filiados à Fenaci.

O encontro foi prestigiado, entre outras personalidades, pelo prefeito da cidade, Valdomiro Lopes, que, em sua fala na abertura do evento, ressaltou ações da prefeitura local no âmbito do programa Minha Casa, Minha Vida.

CAIXA AFINA SINTONIA – Realizado durante a tarde de 17/12, o encontro empolgou a plateia, apresentando especialistas que trataram de mercado e crédito imobiliário, comunicação multimídia e da questão envolvendo o Simples Nacional e as empresas de corretagem imobiliária.

Fernando Tadeu da Costa Passos, superintendente-regional da Caixa em São José do Rio Preto, destacou que o crescimento que a instituição teve nos últimos quatro anos, passando a ser o terceiro maior banco de ativos do sistema financeiro e a segunda maior carteira de crédito do País, deve-se, em boa parte, ao segmento habitacional.

No ano que se encerra, segundo Passos, a Caixa “ampliou o volume de crédito habitacional, tanto nas operações com FGTS quanto SBPE, além de ter construído parcerias que irão trazer grandes negócios para 2015. Foi um ano em que atuamos tempestivamente na revisão das rotinas e atuação de atendimento, tanto nas agências quanto nos correspondentes, o que proporcionou melhorias nos processos, reduzindo prazos e evitando retrabalhos”.

Falando sobre as perspectivas regionais em termos de mercado imobiliário, Passos mostrou-se otimista:

“Estamos na região do Estado de São Paulo que mais cresce e desenvolve. Percebemos este desempenho não só no mercado imobiliário, onde somos líderes, bem como em outros segmentos, como, por exemplo, o agrícola, no qual recém-iniciamos atuação, bem como no de veículos, no qual temos ampliado a nossa participação. Continuamos confiando e acreditando no desenvolvimento do País, disponibilizando recursos para a atividade imobiliária e outras.”

Também pela Caixa falou o gerente-regional Juliano Fernandes Bourim, que apresentou estatísticas mostrando quão significativa é a ação da instituição no setor imobiliário, abrindo caminho para que milhões de pessoas realizem o sonho da casa própria. Bourim destacou em sua palestra que os números mostram que não existe no Brasil a menor possibilidade de “bolha” na área imobiliária.

A VIDA CONTINUA – Flávio Amary, vice-presidente do Interior do Secovi-SP,  traçou um panorama do que se espera da economia para 2015 e como as mudanças aguardadas podem influenciar o mercado imobiliário. Referindo-se a Rio Preto, Amary disse que as oscilações da economia não devem atingir a cidade no que se refere ao mercado imobiliário:

"Todo o setor é influenciado pela política macroeconômica e pelas decisões do poder público, mas algumas cidades ou regiões parecem estar um pouco fora da influência desses fatores. E Rio Preto é uma dessas. Apesar de tudo que está acontecendo em capitais, Rio Preto continua crescendo e o setor imobiliário tende a continuar forte. Claro que não deve ser um desempenho tão significativo quanto vinha sendo em alguns anos anteriores, mas 2015 deve continuar sendo bom para o setor.”

Para Amary, há alguns fatores que podem influenciar para que os entraves econômicos não atinjam tanto o mercado imobiliário.  De início, lembrou, há que se destacar o fato de termos ainda um déficit habitacional muito grande. Depois, que as pessoas continuam casando ou indo morar sozinhas. “No máximo, a situação da economia vai postergar algumas decisões, mas as pessoas continuam vivendo", frisou.

SOBREVIVE QUEM SE ADAPTA – Citando significativos números, Karina de Lima Maia, líder de operação de aquisições do Google São Paulo, mostrou em sua palestra que quem está fora da chamada Era Digital vai perder cada vez mais espaço no mercado.  

Segundo os dados elencados pela palestrante, de 2004 a 2014 a internet passou a ter 2 bilhões de pessoas conectadas nas redes sociais. No Brasil, a internet, até 2013, já atingia 120 milhões de pessoas, o que equivale a cerca de 60% da população e mais de 70% do consumo. O brasileiro passa mais tempo na internet do que em qualquer outra mídia (2,9 horas por dia). Na categoria mercado imobiliário, as buscas cresceram 5% no segundo trimestre de 2014. O Brasil é o 5º país com o maior volume de buscas no mundo.

Karina encerrou sua apresentação em Rio Preto com uma intrigante afirmação do naturalista britânico Charles Darwin (1809-1882): “Não é o mais forte que sobrevive, nem o mais inteligente. E sim o mais adaptável à mudança”.

INCENTIVO À FORMALIZAÇÃO – A última apresentação do encontro foi de Julio Cesar Durante, consultor de políticas públicas do Sebrae-SP, que falou sobre o Simples Nacional e as empresas de corretagem imobiliária.

Segundo Durante, o Simples Nacional trouxe avanços e benefícios importantes para as pequenas empresas brasileiras.  “Podemos dizer que a reforma tributária já aconteceu para as micro e pequenas empresas em nosso país e, com os aprimoramentos introduzidos por meio da Lei Complementar 147/2014, universalizando o simples, novas atividades econômicas poderão adotar um regime tributário diferenciado com alíquotas menores, incentivando a formalização de novos empreendimentos, a sua sobrevivência e principalmente o seu crescimento.  Mas, como toda opção tributária, exige do empreendedor conhecimento, análise e planejamento para que a mudança realmente valha a pena”, advertiu.

No caso do corretor de imóveis, disse, essa universalização “responde a uma reivindicação antiga da categoria, em um setor importantíssimo para a economia, composta de um grande número de micro e pequenas empresas. Ou seja, foi uma medida extremamente importante para os corretores e para o País”.

No encerramento do encontro, o presidente da Fenaci, Joaquim Ribeiro, destacou que a  presença de presidentes de sindicatos de todo o País deixa claro que os corretores de imóveis estão unidos e prontos para viver 2015 . “Prevê-se um ano economicamente complicado, com muitos ajustes. Mas o corretor de imóveis é antes de tudo um batalhador e não vai se abater. Vai continuar firme no seu trabalho de agente do desenvolvimento e na sua missão de realizar o sonho brasileiro da conquista da casa própria.”

JANTAR E HOMENAGENS – Após o Encontro do Mercado Imobiliário de Rio Preto e Região, realizado pela Fenaci na tarde de 17/12, em São José do Rio Preto, no Noroeste do Estado de São Paulo, aconteceu também no Villa Conte, um jantar de confraternização com homenagens a personalidades que se destacaram na atividade de corretor de imóveis.

Os grandes homenageados da noite foram Ilka Centola Finimundi, Osmar Fernandes Garcia e Jorge Humberto D’Amico, que representou o seu pai, Pedro D’Amico, que por motivos de saúde não pôde comparecer. Todos fizeram e fazem história como corretores em São José do Rio Preto.

Por fim, para uma homenagem especial, o presidente da Fenaci, Joaquim Ribeiro chamou ao palco o presidente do Creci-RJ, Manoel da Silveira Maia.