Federação Nacional dos Corretores de Imóveis

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte
Imprimir

GOVERNO ESTUDA LIBERAR RECURSOS DE COMPULSÓRIOS
DO BANCO CENTRAL PARA AUXILIAR A CONSTRUÇÃO CIVIL

Segundo informações do jornal O Globo desta segunda-feira, 11/5, o governo estuda alternativas para atenuar a crise na construção civil, agravada pelo atraso nos repasses da União ao programa Minha Casa Minha Vida e pela sangria de recursos da caderneta de poupança, que perdeu R$ 29 bilhões só no primeiro quadrimestre. Uma das hipóteses em debate é a liberação de parte dos recursos da poupança retidos no Banco Central (BC), os chamados depósitos compulsórios.

Hoje, 30% dos valores depositados na poupança são recolhidos ao BC. A proposta em discussão é liberar entre 10% e 15% desse montante para que os bancos possam aumentar a oferta de crédito para a habitação. Essa medida, segundo fontes do setor, poderia injetar no sistema financeiro entre R$ 30 bilhões e R$ 40 bilhões.

Diante da escassez dos recursos da poupança, ressalta o jornal, a Caixa, líder no mercado imobiliário, e o Banco do Brasil restringiram o financiamento habitacional, tanto para os mutuários, que terão que pagar juros mais altos e dar uma entrada maior, quanto para as empresas. Há poucos dias, as incorporadoras foram informadas pelos dois bancos de que as linhas de crédito com recursos da caderneta destinados à produção de novas unidades foram suspensas.

A liberação de parte dos compulsórios beneficiaria principalmente a Caixa – maior captadora de depósitos da poupança –, mas é defendida pela concorrência. A proposta está em análise pelos ministérios da Fazenda, do Planejamento e pelo BC, e a expectativa é de uma definição até o próximo mês.

FENACI JÁ HAVIA PEDIDO – Para o presidente da Fenaci, Joaquim Ribeiro, o BC tem na liberação de parte do compulsório uma ótima opção para incrementar os recursos destinados ao crédito imobiliário. Dia 8/5, o presidente da Fenaci já se manifestara a respeito:

“Numa situação como a que estamos vivendo, a autoridade monetária bem que poderia liberar uma parte deste compulsório para irrigar o crédito imobiliário. Acreditamos que isso não desestabilizaria a economia e traria um pouco mais de fôlego ao financiamento de imóveis”, defendeu Ribeiro.

No dia 7/5, o presidente da Fenaci, Joaquim Ribeiro, encaminhou ofício ao presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, ao diretor de Fiscalização da entidade, Anthero Meirelles, e também à presidente Dilma Rousseff, solicitando maior rigor na fiscalização do cumprimento, pelos bancos privados, da Resolução 3.932/2010, pela qual o BC obriga as instituições integrantes do SBPE (Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo) a destinar 65% do saldo da poupança ao crédito imobiliário.

Confira a íntegra da matéria de O Globo, acessando Clipping do Mercado.