Federação Nacional dos Corretores de Imóveis

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte
Imprimir

MULHERES GANHAM ESPAÇO ENTRE OS CORRETORES DE
IMÓVEIS E SETE SINDICATOS JÁ SÃO PRESIDIDOS POR ELAS

Dia a dia as mulheres rompem barreiras e conquistam espaço em todas as áreas, em especial no mercado de trabalho. No segmento de corretagem imobiliária não poderia ser diferente, e se estima atualmente que a participação feminina numa profissão que até bem pouco tempo era dominada pelos homens seja hoje superior a 40%.

A presença das mulheres na atividade, porém, não se restringe ao exercício da profissão. Elas também, embora com intensidade ainda muito pequena, vêm atuando de maneira crescente em entidades voltadas à defesa da categoria. Dos 26 sindicatos de corretores filiados à Fenaci, sete já são presididos por mulheres.

Para o presidente da Fenaci, Joaquim Ribeiro, essa participação é muito salutar e deve ser incentivada. “A sociedade evoluiu, mas ainda há muito por conquistar no que se refere à presença feminina no mercado de trabalho. Além da dupla jornada que muitas têm de enfrentar, dividindo-se entre o lar e o trabalho formal, estudos mostram que as mulheres ainda têm salários bem inferiores aos dos homens. Por isso, por meio de nossas presidentes de sindicatos, cumprimento todas as corretoras de imóveis do Brasil e as mulheres de maneira geral pelo 8 de março, lembrando que o País precisa de todos nós, independentemente de sermos homens ou mulheres.”

Confira a seguir o recado de cada uma das presidentes de sindicatos de corretores de imóveis pelo Dia Internacional da Mulher:

Cristina Chaul, presidente do Sindimóveis-CE: “Parabéns a todas as mulheres corretoras de imóveis pelo Dia Internacional da Mulher. Mulheres fortes, lutadoras, mulheres que se dividem entre a família e o trabalho para atingir o seu objetivo que é a felicidade dos filhos, do marido e dela própria. Peço também que continuemos nossas lutas para que a mulher ganhe maiores espaços, tanto nos cargos efetivos quanto nos cargos políticos, porque, como no mercado de trabalho somos mais de 35% dos profissionais, merecemos também ocupar novos cargos. E que a mulher continue assim: íntegra, lutadora, buscando atingir o seu objetivo maior que é participar do crescimento do país”.

Marta Recalde, primeira mulher a presidir o Sindimóveis-MS:  “As mulheres a cada dia conquistam seu espaço na sociedade e assim mostram seu valor. Prova disto é que esta minha gestão é a primeira na história do Sindimoveis-MS onde uma mulher atua como presidente.  Isso significa que a nossa competência é reconhecida e tem aprovação da categoria”.

Eliene de Freitas Souza, presidente do Sindimóveis-BA: Eliene “Menstruar, viver a menopausa, trabalhar e ao mesmo tempo cuidar de filhos, marido, casa, do corpo e da cabeça. Nós nos viramos nos trinta. Mas, no final, vale a pena pela intuição e sensibilidade. Parir e criar homens para o mundo, só mesmo sendo guerreiras”.

Marly da Silveira Ferreira, corretora de imóveis desde 1976, e primeira mulher a assumir a presidência do Sindicato dos Corretores de Imóveis do Município do Rio de Janeiro: “Mulher, mãe, esposa, companheira e amiga. Oito de março, indiscutivelmente Dia Internacional da Mulher. Parabéns a todas vocês, guerreiras.”

Lucimar Alves Elias, presidente do Sindimóveis-GO: “Nascida das mãos de Deus para dar luz a vida . Se finge de frágil, mas abriga dentro de si uma força imensurável . Defende, cuida, administra. Persistência é o seu lema. O ato de não ceder às dificuldades encontradas pelo caminho se traduz a um só nome: mulher”.

Maria Elizabeth de Oliveira, primeira mulher a presidir o Sindimóveis-ES: “Mulher. Símbolo de sensibilidade, tem o poder de conciliar trabalho, emoção e lar. Mestra na arte de amar”.

Marcia Cohen, presidente do Sindimóveis-AM: “Quero parabenizar a mulher corretora, porque nós temos uma dupla função, que é a de abraçar as causas da nossa categoria, não esquecendo o papel fundamental de mãe, dona de casa, esposa. A mulher corretora é uma heroína, porque consegue, além de prover o sustento da família – porque a maioria delas a gente sabe que são as chefes de casa –, abraçar com carinho, com zelo com cuidado, as causas pertinentes à categoria”.