Federação Nacional dos Corretores de Imóveis

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte

APÓS DOIS ANOS DE QUEDA, FINANCIAMENTOS DE IMÓVEIS DEVEM FICAR ESTÁVEIS EM 2017

E-mail Imprimir PDF
ESTADÃO/ Aline Bronzati / Broadcast

24 Janeiro 2017 | 11h37

Volume de unidades financiadas somou 199,7 mil imóveis em 2016, declínio de 41,5% ante 2015; linha que utiliza recursos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) deve encolher 1,5%

foto estadao

SÃO PAULO - A Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip) estima que os financiamentos a imóveis fiquem estáveis em 2017, após dois anos seguidos de retração do segmento, impactado pela crise. A linha que utiliza recursos do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE) deve crescer 5% em 2017 ante o exercício anterior, conforme a entidade, enquanto que a que recorre aos recursos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) deve encolher 1,5%, na mesma base de comparação.
Somadas, as linhas de FGTS, que sofreu menos com a crise, e SBPE devem alcançar R$ 112 bilhões em 2017, ante cerca de R$ 111 bilhões no ano passado. Em 2015, totalizaram R$ 129 bilhões e em 2014, R$ 157 bilhões.
No ano passado, os financiamentos que usam recursos das cadernetas de poupança somaram R$ 46,6 bilhões, montante 38,3% menor do que o registrado em 2015, de cerca de R$ 76 bilhões. Já o volume de unidades financiadas somou 199,7 mil imóveis em 2016, declínio de 41,5% ante 2015, quando foram registrados 341,5 mil unidades.
"O ano começou totalmente diferente, com os juros no longo prazo mais baixos. Os bancos já estão pagando menos para captar", avalia o presidente da Abecip, Gilberto Duarte de Abreu.
Em dezembro, a tônica do financiamento imobiliário já foi outra. Foi o melhor resultado mensal de 2016, ao totalizar R$ 5,38 bilhões, montante 35,2% maior ante novembro. Na comparação com o mesmo mês do ano passado, foi identificado aumento de 12,9%. No último mês do ano, foram financiados 20,4 mil imóveis para aquisição e construção, alta de 35,2% em relação a novembro (15,1 mil unidades). Em 12 meses, porém, houve queda de 6,8%.
O presidente da Abecip lembrou que o setor da construção foi um dos mais impactados pela crise e que o recuo do crédito imobiliário pesou no desempenho do segmento. Ponderou, contudo, que a queda dos juros contribui para o desempenho da poupança, que já encerrou 2016 em melhores condições. No ano passado, o saldo da caderneta subiu 1,3%, contra queda de 3% em 2015.
"Parece que já passamos pelo fundo do poço e estamos entrando em um novo momento. 2017 ainda é um ano de ajustes, com desemprego alto, mas com reação, mesmo que moderada", concluiu Abreu.