Federação Nacional dos Corretores de Imóveis

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte
Imprimir

CONFIRA O QUE FENACI E SINDICATOS FIZERAM EM 2017 E
AS PERSPECTIVAS PARA O CORRETOR DE IMÓVEIS EM 2018

O ano que hora se finda novamente não atendeu grande parte de nossas expectativas, mas não foi de todo ruim. A situação política pouco se alterou, com cada vez mais congressistas e homens públicos sendo denunciados por corrupção e outros atos ilícitos. No entanto, apesar dos infindáveis nós que envolvem a política e impedem um governo mais assertivo em suas ações, a economia, por incrível que pareça, teve algum crescimento, mantendo-se incólume em meio ao caos.

Para o presidente da Fenaci, Joaquim Ribeiro, a economia do país dá sinais de ter começado a viver um saudável descolamento do ambiente político. “Tal fenômeno, saudado pelos especialistas, como coisa de nação desenvolvida, permitiu, por exemplo, que a taxa Selic caísse de 14,15% ao ano no final de 2016 para o menor índice de sua história, 7%, após o último corte do BC em 6 de dezembro”.

A poupança, recorda ainda Ribeiro, teve captação positiva por cinco meses consecutivos, façanha que só foi interrompida em outubro. “Desde 2014 não se registrava cinco meses seguidos de resultados positivos na captação da poupança, de cujos recursos 65% vão para o crédito imobiliário, segundo as regras do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo”, afirma, ressaltando que em 2018 um novo funding deverá dar impulso ao mercado imobiliário.

“A Caderneta de Poupança é ainda o principal instrumento para o financiamento do crédito imobiliário ao lado do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). Mas esse panorama, como já foi dito nos últimos Foreci’s, deverá mudar, a partir da normatização, em 2018, da LIG – Letra Imobiliária Garantida – que capta, tanto do mercado doméstico quanto do exterior, recursos a serem destinados ao setor imobiliário.Existem expectativas de que a LIG terá condições de alavancar R$ 200 bilhões em três ou quatro anos.”

O presidente da Fenaci destaca que juntamente com as taxas de juros têm caído também a inflação, que se aproxima do nível mais baixo dos últimos 20 anos, e o desemprego. “A partir de abril, os empregos começaram a surgir, e 2,3 milhões de brasileiros que estavam desempregados puderam voltar ao mercado de trabalho. Esse panorama tem propiciado o gradativo aumento de confiança de empresários, investidores e consumidores, o que certamente resultará em melhorias para todos os segmentos da economia, incluindo-se aí o mercado imobiliário, que está muito otimista com relação a 2018”.

Entidades do setor de incorporação imobiliária avaliam 2017 fechará com mais lançamentos e vendas, redução de estoques e menos distratos em relação a 2016, o que leva o mercado a apostar numa consolidação da melhora operacional em 2018, com reflexo nos balanços no ano seguinte.

“Executivos de banco voltados ao mercado imobiliário, preveem que em 2018, o ambiente estará mais favorável tanto para as faixas de média e média-alta renda quanto para as incorporadoras que atuam no programa Minha Casa, Minha Vida. Segundo esses mesmos executivos, no segmento de baixa renda há mais equilíbrio entre oferta e procura, podendo-se antever expansão caso haja crescimento dos níveis de emprego, pois o 80% da demanda estão nessa área”, comenta o presidente da Fenaci.

“Esse panorama”, conclui Ribeiro, “nos sugere que entraremos 2018 com grandes possibilidades de retomada em nosso ramo de atividade. Sobre 2017, particularmente, acredito que fecharemos o ano com um crescimento de 15% do mercado imobiliário. Mas sempre é bom lembrar que é preciso que o corretor de imóveis esteja permanentemente em busca de aprimoramento profissional, para que não fique na mesmice. Há muito espaço para atuação num país onde o déficit habitacional beira os 6 milhões de moradias, o crédito imobiliário em relação ao PIB é inferior a 10% e onde a casa própria é uma vocação histórica. No entanto, o corretor de imóveis, como todos os outros profissionais, tem de se reinventar a todo instante, de forma a consolidar a imagem de um autêntico consultor de bons negócios. Boas festas e um 2018 marcado pelo espírito de superação e de reinvenção.”

Confira a seguir, na RETROSPECTIVA 2017, os fatos e ações que marcaram a Fenaci e seus sindicatos filiados durante o ano que passou.


versão em PDF