Federação Nacional dos Corretores de Imóveis

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte

FREIO NAS VENDAS / A SAÍDA É ALUGAR

E-mail Imprimir PDF

                              O Globo, Daiane Costa, 23/4/2018

Na crise, aumenta em 7% o total de pessoas com renda de locação de imóveis. No Rio, alta é de 23% 

Para driblar a crise, donos de imóveis estão topando qualquer negócio para fazer desses bens uma fonte de renda. Dados do IBGE mostram que, em 2017, o número de pessoas com rendimentos de locação e arrendamento no Estado do Rio saltou 23% em relação ao ano anterior e passou de 161 mil pessoas para quase 200 mil. No estado, o movimento foi ainda mais intenso do que a média geral do país, onde o número de pessoas com este tipo de renda cresceu 7% em 2017, para quatro milhões de pessoas, enquanto o grupo com renda do trabalho caiu 0,3%.

 Três fatores explicam o aumento registrado no período na avaliação de representantes do setor imobiliário: com a alta do desemprego e o fechamento das torneiras para novos financiamentos pela Caixa, quem tinha imóvel para vender ficou com o bem encalhado e decidiu alugar para, ao menos, livrar-se dos custos com IPTU e condomínio. Além disso, no caso do Rio, com orçamento apertado, muitas famílias da Zona Sul alugaram o apartamento próprio e foram morar como inquilinas em bairros onde o custo de vida é mais baixo. Outro aspecto que contribuiu para a mudança foi o aumento da oferta de quartos e apartamentos em sites de hospedagem, como Airbnb e Booking.com.

Grafico site

- Nos últimos quatro anos, houve uma virada no mercado. Antes, tínhamos 60% de procura por compra e 40% por aluguel. Isso se inverteu com o desemprego alto e a limitação dos financiamentos dos imóveis, algo que só agora deve começar a ser revertido - explica o vice-presidente de Dados do Grupo Zap Viva Real, Caio Bianchi, referindo-se à redução de juros e ao aumento do teto para financiamento da casa própria anunciados pela Caixa há uma semana.

IMÓVEL MAIOR, MAIS CHANCES DE ENCALHAR

Leonardo Schneider, vice-presidente do Sindicato da Habitação do Rio (Secovi), diz que, particularmente na capital fluminense, há um casamento feliz entre oferta e demanda por aluguel porque, ainda que o aumento da insegurança assuste, há uma procura constante por apartamentos de temporada, por causa do turismo, e para universitários que vêm de outras cidades.

De outro lado, nos primeiros anos desta década, devido a facilidades para compra e expectativas com os eventos esportivos ocorridos na capital em 2014 e 2016, houve uma explosão de investimentos em imóveis.

- O mercado imobiliário é um ativo mais conservador. O brasileiro tem tradição de investir em imóvel porque vê nele uma renda garantida. O Rio ainda descobriu uma vocação de aluguel por temporada, e os sites de reserva online também ajudam esse mercado a crescer - observa Schneider.

A plataforma mais conhecida, o Airbnb, viu o número de anfitriões, que é como são chamados os locadores de quartos e apartamentos, subir de 90 mil em 2016 para 117,1 mil no ano passado, alta de 30%. Lúcia Marco e Ney Canellas são dois deles. No site, apresentam-se como um "casal na faixa dos 50 anos, com curso superior completo, apaixonados pelo Rio". Passaram a alugar o miniestúdio com banheiro privativo de cerca de 9m² anexo à cobertura onde moram, em Copacabana, em dezembro de 2016. A diária para duas pessoas fica entre R$ 85 e R$ 100.

- Essa suíte foi feita para o meu filho mais ve- lho. Depois que ele se mudou, ficou parada. Eu e meu marido sempre fomos autônomos e isso dificulta nossa aposentadoria. Então decidimos alugar o miniestúdio para ter uma renda extra. Hoje, ela é quase nossa fonte primária - conta Lúcia, complementando que a taxa de ocupação gira em torno de 75% ao mês, mesmo com mais oito concorrentes no mesmo prédio.

No mesmo bairro, Maria Monteiro não só passou a alugar seu imóvel de quatro quartos, depois de tentar vendê-lo por quase dois anos, sem sucesso, como fez disso um novo negócio. Hoje, ela administra 58 imóveis de alto padrão, a maior parte de amigos que, como ela, não conseguiram vender e partiram para o aluguel.

- Meu filho casou, e a ideia era vender esse apartamento para comprar dois menores. Um para ele e outro para mim. Mas, em quase dois anos, só tive uma proposta de compra e queriam pagar 30% menos do que pedi inicialmente. Então, ano passado, decidi alugá-lo por temporada. Assim, se uma proposta boa de compra aparecer, posso vendêlo - conta Maria, que usa parte dessa renda para pagar o aluguel do filho.

Conceição Oliveira também tem dois imóveis alugados, um no bairro do Catete e outra em Goiânia (GO), pela mesma razão. Obtém cerca de R$ 4.400 mensais com os dois aluguéis e se livrou dos gastos que tinha com IPTU e condomínio.

- O imóvel do Catete ficou mais de um ano à venda. Quando aparecia comprador, o que era raro, na hora de fechar negócio, não conseguia financiamento. O que dá certo é o aluguel. Vender, você não consegue - conta Conceição.

SETOR PREVÊ MELHORA NAS VENDAS

Francisco Castel-Branco, diretor-executivo da Lowndes Administradora, explica que, quanto maior o imóvel, e consequentemente seu valor, maior é a dificuldade para vendê-lo:

- Há pessoas trocando aluguéis mais caros por mais baratos e isso também ajudou a aumentar o estoque de imóveis vazios. Os donos estão tendo de baixar os preços para alugar ou manter inquilinos antigos.

Castel-Branco também identificou outro perfil de cliente durante a crise: aquele que abre mão de qualidade de vida para obter renda.

- Uma família que tinha imóvel em Ipanema, conseguiu alugá-lo por R$ 13 mil e foi morar em bairro, pagando um aluguel de R$ 6 mil.

É um mercado que se tornou lucrativo mesmo com a queda dos valores de locação. O Índice FipeZap - que acompanha o preço de aluguel de imóveis em 15 cidades brasileiras - aponta que, em 12 meses encerrados em fevereiro, o preço médio do aluguel no Rio acumula queda de 7,64% - a maior entre as cidades pesquisadas.

- Houve uma queda de 10% no valor médio do aluguel durante a crise, mas agora estabilizou. O que ocorreu foram muitas negociações, pois perder um bom inquilino, que pague em dia, é um prejuízo muito grande - analisa Joaquim Ribeiro, presidente da Federação Nacional dos Corretores de Imóveis (Fenaci).

A renda média real mensal obtida por meio do aluguel, no entanto, cresceu 20% no último ano no Estado do Rio, de acordo com o IBGE. Passou de R$ 1.843 em 2016 para R$ 2.210 no ano passado. A média do país ficou praticamente estável, em R$ 1.588 mensais.

O anúncio feito segunda-feira passada pela Caixa Econômica Federal - principal fonte de financiamento imobiliário do país - trouxe expectativas de melhora no mercado de vendas. Para a compra de imóvel dentro do Sistema Financeiro de Habitação (SFH), as taxas mínimas recuaram de 10,25% para 9% ao ano. Nesta modalidade estão incluídos imóveis residenciais de até R$ 800 mil, exceto para Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e Distrito Federal, onde o limite é de R$ 950 mil.

Já para imóveis enquadrados no Sistema de Financiamento Imobiliário (SFI), as taxas passam de 11,25% para 10% ao ano. Neste caso, estão valores acima dos limites do SFH.

- Já tínhamos essa expectativa, tendo em vista que a Selic (taxa de juros básica) está em seu patamar mínimo histórico (6,5% ao ano), e bancos privados já vinham baixando suas taxas - diz João Paulo Mallet, sócio-diretor da Privilégio Imóveis.

Ribeiro também prevê que o mercado de aluguéis se mantenha atraente nos próximos anos em razão do déficit habitacional, na faixa de seis milhões de imóveis, e de fatores como formação de novas famílias e casos de divórcio.

- Hoje, o aluguel é um bom negócio, independentemente da conjuntura econômica, porque a população só vai parar de crescer em 2040 - avalia Ribeiro.

A O Globo 500

Ú
 
Última atualização em Seg, 23 de Abril de 2018 18:33